PREFEITO DE NOVA AMÉRICA DA COLINA, ALEXANDRE BASSO, O XANDE VENCE A ELEIÇÃO PARA PRESIDENTE DO CISNOP

ALEXANDRE BASSO, NOVO PRESIDENTE DO CISNOP

DEVANIL MARTINELLI PERDEU POR UM VOTO A ELEIÇÃO DO CISNOP

DR. Jose Olegário, atual Presidente anuncia o resultado da eleição


A eleição foi nesta manhã de quinta-feira,18, na sede da Amunop e contou com representantes de 21 municípios que fazem parte do Consorcio Intermunicipal de Saude do Norte do Paraná.

A disputa tinha em uma das chapas, o Prefeito de Santo Antonio do Paraíso, Devanil Martinelli e na outra, o Prefeito de Nova América da Colina, Alexandre Basso.

Com uma disputa bastante acirrada, o Prefeito de Nova América da Colina, o Xande, venceu seu oponente por 11 votos a 10.


Alexandre Basso será empossado no dia 29 de janeiro 2015, entrando no lugar do atual Presidente do CISNOP, Dr. José Olegário, Prefeito de Congonhinhas.

JUSTIÇA AFASTA PRESIDENTE DA AMUNOP CELSO SILVA

Oficial de Justiça entrega liminar para o Presidente da Amunop Celso Silva






JUSTIÇA DETERMINA SUSPENSÃO ELEIÇÃO DA ENTIDADE E AFASTA PRESIDENTE CELSO SILVA. 
AO MESMO TEMPO EMPOSSA VICE PRESIDENTE LUIZ MESTIÇO, PREFEITO DE ASSAÍ, QUE DEVERÁ MARCAR NOVA ELEIÇÃO PARA OS PRÓXIMOS DIAS.

Francischini defende recompensa ao policial que apreende arma no Paraná

Deputado federal é o novo secretário de Segurança Pública no estado.
'Em qualquer função, aquele que produz mais, ganha mais', diz secretário.

Do G1 PR, com informações da RPC Curitiba
O novo secretário de Segurança Pública do Paraná, Fernando Francischini, defendeu nesta quinta-feira (18) a iniciativa de recompensar financeiramente policias por armas apreendidas. Essa é uma das propostas de Francischini como política pública de combate a criminalidade no estado, e tem causado polêmica já que a gratificação seria dada a uma atividade que está no escopo da função policial. “Em qualquer função, aquele que produz mais, ganha mais. É preciso incentivar o policial a tirar a arma da mão de bandido”, disse.

Para o secretário, o Estatuto de Desarmamento funciona apenas para pequenos crimes cometidos dentro do lar como brigas de marido e mulher, com vizinho e em decorrência do consumo de bebida alcóolica. Ele afirma que, como o latrocínio está atrelado ao crime organizado, a atual política de desarmamento se mostra pouco eficente. “Você já viu algum bandido bater na porta da delegacia e dizer que foi levar a arma para receber R$ 100,00?”, questionou.
Você está contando o tamanho do abacaxi que eu tenho pela frente"
Fernando Francischini, secretário de Segurançar
Francischini acredita que a partir do momento que o policial é recompensado, ele sente-se estimulado a fazer mais abordagens, ir a locais considerados de risco e também a prender criminosos. De acordo com o secretário, essa gratificação financeira não onera o cofre público. “É muito barato isso (...) Nós temos que enfrentar a criminalidade com inteligência. Pagar por produtividade é dizer para aquele que faz poucas abordagens ou que não está trabalhando com todo aquele incentivo que vá mais longe”.

De modo geral, ao se considerar os índices de criminalidade, a questão orçamentária, a nova atribuição de gerir o sistema penitenciário e a necessidade de se abrir novas vagas em presídios, Francischini disse ter um “abacaxi” nas mãos.

“Você está contando o tamanho do abacaxi que eu tenho pela frente”, disse o secretário. Conforme o secretário, ele aceitou o desafio porque tem a certeza que o governador irá ajudá-lo e porque já há bons sinais para a concretização de algumas medidas como a liberação de recursos federais para a construção de 20 unidades prisionais.

“Nós vamos fazer o feijão com arroz: tirar os bandidos das ruas, apreender armas, voltar com as gratificações”, pontuou.

Incorporação de secretarias
Antes de concluírem as atividades do ano, os deputados estaduais aprovaram o projeto de lei, encaminhado pelo governador Beto Richa, que transformou a Secretaria de Estado da Segurança Pública em Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária. Desta forma, a Segurança Pública englobou as atribuições da Secretaria de Estado da Justiça tornando-se responsável pelos presos do estado.

De acordo com o novo secretário, o acumulo de função não será um problema. Ele afirma que será feito um trabalho forte em relação à ressocialização dos detentos e simultaneamente uma ação firme contra o crime organizado. “O governador resolveu colocar autoridade dentro dos presídios. Mão amiga para o preso que quer se recuperar, mas braço forte no crime organizado, que está infiltrado em todas os presídios”.

Tráfico de drogas
Para combater o tráfico de drogas e tirar o estado da rota dos criminosos, Francischini apresentou um projeto em parceira com as Secretarias de Segurança Pública do Rio de Janeiro e de São Paulo, além da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal para a criação de uma central de inteligência na região de fronteira. Tudo para impedir que a droga que sai do Paraguai passe pelo Paraná e siga para as demais regiões do país. “Nós precisamos diminuir o tráfico para diminuir o homicídio”.

Programa Paraná Seguro
Questionado sobre o programa estadual Paraná Seguro, voltado para a segurança pública, Francischini atrelou o baixo investimento e a não realização das ações prometidas às dificuldades financeiras. Segundo ele, 90% dos R$ 3 bilhões do orçamento da pasta são direcionados para pagamento de servidores.

“O governador Beto Richa, quando assumiu o governo do estado em 2010, tinha um dos piores salários da polícia do Brasil. Tinha o menor efetivo per capita de policiais militares. Teve um aumento muito grande de cargo, implantação de subsídio. Tudo isso influenciou e jogou o estado quase no limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal, o que atrapalhou muito o governador”, avaliou. O secretário acrescentou que, enquanto deputado federal trabalhou, para a liberação dos empréstimos do Governo Federal ao Paraná e avaliou que a condição política eleitoral atrapalhou.

Das 400 Unidades Paraná Seguro (UPSs) previstas, 100 foram construídas. Além disso, há criticas quanto à funcionalidade das UPS. Francischini afirmou que pretende levar serviços sociais para as áreas da UPS e disse não ter dúvidas de que conseguirá cumprir os objetivos nos próximos anos.

“Nós vamos fazer o feijão com arroz: tirar os bandidos das ruas, apreender armas, voltar com as gratificações”

Caixas eletrônicos
O novo secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini, afirmou nesta quinta-feira que recebeu orientação do governador Beto Richa (PSDB) para ser firme com criminosos infiltrados na polícia. “Nós temos, muitas vezes, cortar a própria carne”, disse o secretário.
Francischini garantiu que irá implantar medidas para ao menos diminuir a incidência deste crime, como o incremento da rastreabilidade dos explosivos aos fabricantes e aumento da fiscalização na própria polícia.

Segundo o secretário, ainda nesta quinta-feira haverá uma reunião entre representantes do Exército, governo e policiais civil, militar e federal para se discutir o problema. “não é possível toda noite uma explosão de caixa eletrônico”.

Procurador-geral deve denunciar políticos ao STF a partir de fevereiro

Rodrigo Janot deve apontar quais têm relação com corrupção na Petrobras.
Segundo ex-diretor da estatal, há 'algumas dezenas' de políticos envolvidos.

Renan RamalhoDo G1, em Brasília
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a partir de fevereiro – após o recesso do Judiciário, que termina em 31 de janeiro – pedidos de abertura de investigação ou denúncias contra políticos envolvidos em corrupção na Petrobras.
Outros investigados na Operação Lava Jato, que apura desvio de dinheiro na estatal – como ex-diretores da Petrobras, executivos e funcionários de empreiteiras e lobistas – já foram denunciados pelo Ministério Público Federal, tiveram a denúncia aceita pelo juiz federal Sérgio Moro e se tornaram réus de ações penais (veja lista).
Nos casos dos deputados, senadores e ministros que teriam sido mencionados nos depoimentos em delação premiada do doleiro Alberto Youssef – apontado como chefe do esquema – e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, há necessidade de autorização do Supremo Tribunal Federal. Essas autoridades têm foro privilegiado e só podem ser investigadas ou processadas no STF. À CPI da Petrobras, Paulo Roberto Costa falou em "algumas dezenas" de políticos envolvidos.
A formulação dos inquéritos (investigações) ou denúncias (acusações) depende ainda da homologação (validação) da delação premiada do doleiro Alberto Youssef pelo ministro do STF Teori Zavascki, responsável pela análise dos documentos na Corte.
Teori Zavascki recebeu nesta quarta (17) os depoimentos, que são sigilosos e apontam fatos e nomes envolvidos a serem investigados. O juiz auxiliar do ministro, Marcio Schieffer, foi a Curitiba para checar informações do processo antes de Zavascki decidir se homologa ou não o acordo.
Pelo acordo firmado com o Ministério Público Federal, o doleiro contou o que sabe e, desde que comprovadas as informações, poderá obter beneficios, como redução da pena e responder ao processo em liberdade.

"Em primeiro lugar, eu quero deixar claro que eu não sou o mentor e nem o chefe desse esquema como vem se mencionando na mídia e na prória investigação. Eu não sou. Eu sou apenas uma engrenagem desse assunto que ocorria na Petrobras. Tinha gente muito mais elevada acima disso, inclusive acima de Paulo Roberto Costa, no caso agentes públicos. Esse assunto ocorria nas obras da Petrobras e eu era um dos operadores", disse o doleiro num de seus depoimentos.
Até o momento, Youssef é réu em cinco processos relacionados à Lava Jato, todos envolvendo pagamento de propina por empreiteiras para a obtenção de contratos com a Petrobras. Segundo as apurações, o esquema movimentou cerca de R$ 10 bilhões. Ele também apontou envolvimento de várias autoridades com foro privilegiado no esquema.
Entenda a Lava Jato
A Operação Lava Jato começou investigando um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões. A investigação resultou na descoberta de um esquema de desvio de recursos da Petrobras, segundo a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.
Na primeira fase da operação, deflagrada em março deste ano, foram presos, entre outras pessoas, o doleiro Alberto Youssef, apontado como chefe do esquema, e o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.
A sétima fase da operação policial, deflagrada no mês passado, teve como foco executivos e funcionários de nove grandes empreiteiras que mantêm contratos com a Petrobras em um valor total de R$ 59 bilhões.
Parte desses contratos está sob investigação da Receita Federal, do MPF e da Polícia Federal. Ao todo, foram expedidos na sétima etapa da operação 85 mandados em municípios do Paraná, de Minas Gerais, de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Pernambuco e do Distrito Federal.
Conforme balanço divulgado pela PF, 25 pessoas foram presas. Também foram cumpridos 49 mandados de busca e apreensão e foram expedidos nove mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é obrigada a ir à polícia prestar depoimento), mas os policiais conseguiram cumprir seis.
VALE ESTE - Arte Lava Jato 7ª fase (Foto: Infográfico elaborado em 15 de novembro de 2014)

LESÃO CORPORAL GRAVE EM CONGONHINHAS

Ás 20h36m desta quarta,17 a equipe da PM deslocou até o Pronto-Socorro, onde um adolescente de 17 anos havia dado entrada vítima de um ferimento perfuro-contundente na região da axila esquerda. Segundo a própria vítima o ferimento havia sido ocasionado através de um golpe de chave de fenda desferido por um ex-amigo. A vítima disse que o motivo se deu por que sem querer havia quebrado uma peça da moto do suposto amigo. Assim sendo, como já se tem a identificação do acusado, esse deverá responder a seu devido tempo perante a Justiça e, tão logo seja encontrado.

ASSOCIAÇÃO CENTRO COMUNITÁRIO - CRECHE REALIZOU NESTA QUARTA,17 A APRESENTAÇÃO DE FINAL DE ANO






















A Associação Centro Comunitário - Creche de São Sebastião da Amoreira realizou nesta quarta-feira,17, a apresentação dos alunos com muita gente comparecendo, entre funcionários, familiares e comunidade em geral.

A entidade que é comandada pelas Irmãs da Igreja  Católica, tendo à frente a Irmã Vincenzia, fez uma programação que agradou a todos os presentes, com apresentações de cada turma em sua faixa etária, com muita alegria, muito bem ensaiadas, com a encenação do presépio e no final a surpresa, com o PAPAI NOEL fazendo a entrega de um presente para cada uma das crianças que alí são atendidas.

No início da apresentação a Irmã Vicenzia pediu um minuto de silêncio em homenagem ao Juliano Fernandes, que ontem faleceu em um acidente motociclista que tem sua filha fazendo parte da entidade, além da esposa que é funcionária da Creche. Foi um momento de muita emoção.

Depois ainda aconteceu a entrega de um valor que a empresa Ponto Rural destinou para a instituição em um evento no mês que passou.

Ao ser entrevistada pela reportagem a Irmã Vincenzia se emocionou pois depois de muitos anos à frente da entidade, irá ter que ir embora para Curitiba no final do ano, já que foi convocada para começar um novo trabalho na capital paranaense, devendo deixar a cidade de São Sebastião da Amoreira.

PONTO RURAL ENTREGA CHEQUE PARA A ASSOCIAÇÃO CENTRO COMUNITÁRIO - CRECHE



A empresa Ponto Rural de São Sebastião da Amoreira entregou ontem, quarta-feira,17, o cheque no valor de R$ 10.285,00(dez mil, duzentos e oitenta e cinco reais), correspondente a renda da promoção do 2º Jantar Beneficente, que foi realizado no mês passado, em prol da entidade.

O cheque, foi um ato simbólico já que o dinheiro já está na conta da entidade que é dirigida pela Irmã Vincenzia, que agradeceu em nome dos funcionários e familiares das crianças que são atendidas pela "Creche".

O Sr. Élido, polular Neguinho, da Ponto Rural,  fez questão de ressaltar que essa atitude da empresa é uma forma de colaborar com uma instituição séria que realiza um excelente trabalho em prol da comunidade de São Sebastião da Amoreira.

Com a internet, idosos mudam forma de se comunicar

Segundo pesquisa, esta é a primeira geração entre os 65 e 75 anos que tem a possibilidade de utilizar uma maior variedade de tecnologias

Marcos Zanutto
O aposentado Josué Diniz aprendeu a usar Skype, Facebook e WhatsApp para poder falar com o filho que mora na Alemanha: "melhor coisa"
 
Os idosos estão mudando a forma de se comunicar, e isso graças à internet. Esta é a conclusão de uma pesquisa realizada pelo ConsumerLab, área da empresa de tecnologia da comunicação Ericsson, que estuda o comportamento do usuário. Segundo o estudo, as chamadas de vídeo e as mensagens de texto já são uma novidade que entrou na rotina das pessoas de 65 a 75 anos de idade por influência dos membros mais jovens da família, como os filhos e netos.

"Dez anos atrás, a comunicação era mais espaçada. As pessoas se falavam uma vez por semana durante uma hora. Hoje, a comunicação mudou para textos rápidos e diários", observa André Gualda, analista do ConsumerLab da Ericsson no Brasil. "Depois que a comunicação muda, as novas gerações não querem mais voltar atrás, e os mais velhos se sentem pressionados a adotar este novo comportamento."

De acordo com a pesquisa, os idosos que usam a tecnologia para se comunicar se sentem mais enriquecidos, informados, jovens e em maior contato com os outros e a sociedade. "Com a tecnologia, os idosos são inseridos na comunidade, ficam próximos dos familiares", observa Gualda. As informações e fontes de entretenimento são outros benefícios que a tecnologia oferece aos mais velhos, afirma o analista.

Demanda

Ao colocar em prática um projeto de extensão de Alfabetização Digital e Internet para a Terceira Idade na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Londrina, Andréa Maria Baroneza notou que não adiantava desenvolver um programa fechado para o curso. "Tivemos que atender às necessidades deles." Segundo ela, o principal interesse dos idosos ao buscar a tecnologia é o contato com familiares. "No geral, eles querem aprender a usar o e-mail e o Facebook para o contato com a família." Em seguida, vêm as receitas e as notícias.

O aposentado Josué Leite Diniz, de 74 anos, aprendeu a usar Skype, Facebook e WhatsApp para poder falar com o filho, que mora na Alemanha. A comunicação se dá pelo notebook e pelo celular. "Melhor coisa. É mais fácil (se comunicar) assim." Usar as ferramentas de comunicação pela internet, segundo ele, fez com que pudesse falar mais com o filho. "De fim de semana a família vem em casa e todo mundo conversa com ele."

"No meu tempo era tudo por carta. Mas, conforme as coisas vão acontecendo, quero saber como é para me comunicar", afirma, por sua vez, a aposentada Lindaura Lopes, de 72 anos. Para se atualizar, ela se inscreveu em um projeto que ensinou informática para a terceira idade. Seus principais interesses? "Queria poder entrar em sites para ver fotos, conversar com netos e família que mora em Curitiba e no Nordeste."

FOLHA DE LONDRINA
Mie Francine Chiba
Reportagem Local

Presa mulher que usava Cohab para aplicar golpes

Policiais do 1.º Distrito Policial de Curitiba obtiveram êxito em localizar e prender em flagrante delito, após investigações, Carmen Lucia Marek, de 47 anos, suspeita de aplicar o "Golpe da Cohab" contra diversas pessoas na cidade de Curitiba e região. A mulher foi detida ontem pela manhã.

Carmen dizia ser funcionária da Cohab e oferecia facilidades para que pessoas de baixa renda adquirissem imóveis, em geral, apartamentos com valores abaixo de mercado e justificava o "bom negócio" por sua influencia nos setores da Cohab que facilitavam a transação.

Para garantir a aquisição do imóvel, a mulher exigia o pagamento de um sinal de negócio entre R$ 5 mil e R$ 6 mil, passíveis de parcelamento. Segundo a polícia, os valores eram justificados pelo serviço de despachante e para dar entrada na documentação de transferência.

A acusada demonstrava credibilidade com a apresentação de documentos timbrados da Cohab, prefeitura de Curitiba e Caixa Econômica Federal, que, segundo ela, eram retirados dos sites das próprias instituições, além da exigência de uma seria de certidões negativas, solicitadas às vítimas para iniciar os fictícios processos.

Logo após a documentação necessária para a transferência dos imóveis, Carmen inventava uma série de problemas administrativos e/ou documentais, protelando as entregas das chaves.

Formava, ainda, uma espécie de rede, onde parte de seus clientes (vítimas), eram aliciados a angariar novos compradores e recebiam uma comissão em dinheiro, variável entre R$ 300 e R$ 600 por negócio fechado.

No momento da prisão, Carmen recebia dois cheques de R$ 2,2 mil cada, como sinal de negociação, e tentava renegociar com dez outras vítimas insatisfeitas.

Mais de cem pessoas foram lesadas pela mulher, segundo a polícia. Denúncias podem ser feitas pelo telefone (41) 3326-3400, no 1.º Distrito Policial de Curitiba.
Reportagem Local-folha de londrina

Natal nas alturas

Parceria do Provopar com empresário levou 600 crianças para sobrevoar Porecatu em oito helicópteros

Fotos: Gustavo Carneiro
Cerca de 600 alunos de escolas municipais sobrevoaram a cidade na manhã de ontem
Passeios de cerca de três minutos foram o bastante para fascinar as crianças
Do alto, Luiz Fernando ficou admirado com a área de canavial de onde o pai dele e de muitos amigos retira o sustento no corte da cana-de-açúcar
Porecatu – O presente de Natal das crianças de Porecatu (Norte) chegou antecipado e, literalmente, voando este ano. A campanha Natal Encantado do Paraná, do Provopar, em parceria com a Escola de Aviação Asas Rotativas (Eacar), levou cerca de 600 alunos das escolas municipais para sobrevoar a cidade em oito helicópteros na manhã de ontem. Os passeios de cerca de três minutos foram o bastante para fascinar as crianças, a maioria filhos de trabalhadores volantes.

Os primeiros ônibus escolares chegaram ao aeroporto por volta das 9 horas. Em seguida, quando os helicópteros apontaram no céu, o alvoroço começou. A organização do evento colocou cadeiras sob uma cobertura metálica para acomodar a criançada, mas a ansiedade não permitia que eles parassem quietos. Nem mesmo as professoras mais linhas-duras conseguiam segurar os pequenos. A cada helicóptero que sobrevoava o grupo, a fila se desfazia. Enquanto alguns corriam com as mãos estendidas para o alto, outros faziam fotos com celulares.

Maycon, de 11 anos, aluno do 5º ano da Escola Municipal Honório Maestrelli, foi o primeiro da fila. Na ansiedade de voar, ele brincava com um inseto nas mãos como se fosse um helicóptero. Em poucos minutos, aplacaria a inveja que sempre sentiu dos bichinhos voadores. E aplacou em grande estilo: no banco da frente, ao lado do piloto. Foram três minutos cronometrados em que o menino se esqueceu de todos os problemas ao apreciar a paisagem verde-rubra formada pela terra e plantações. "É muito lindo. Nunca imaginei ver minha cidade desse jeito", admirou-se.

Outro aluno que se emocionou foi Luiz Fernando, de 7. Ele voou com a amiga Thaemy, de 6. Após a decolagem, eles venceram o medo inicial e curtiram a paisagem. Do alto, Luiz Fernando conseguiu avistar boa parte dos 7.780 mil hectares do município ocupados pelos canaviais de onde o pai dele e de muitos amigos retira o sustento no corte da cana-de-açúcar. "Não sabia que ele tinha tanto trabalho assim", comentou. Já Thaemy se entreteve com a parte urbanizada. "Gostei de ver as casas. Procurei a minha, mas não achei. São muitas, né?", comentou ao avistar os cerca de 4 mil domicílios da área urbana.

Desde o ousado pouso do Boeing 737-200 da Vasp, sequestrado há 14 anos, pelo grupo de Marcelo Borelli, o Aeroporto de Porecatu não registrava evento de tamanha importância. Como nenhuma das crianças se lembra do episódio, o passeio de Natal ficou marcado para eles como o maior acontecimento da cidade. "Foi a maior experiência da minha vida, nunca tinha feito nada tão legal assim", contou Maycon, já no retorno para a escola. Ele, que sonhava em ser ator ou apresentador de TV, sentiu dúvidas quanto ao futuro profissional. "Acho que agora quero ser piloto", planejou.

No final da manhã, o Papai Noel do Provopar distribuiu brinquedos para as crianças. A presidente do Provopar Estadual, Carlise Kwiatkowski, informou que as caravanas do Natal Encantado estão percorrendo cerca de 40 cidades do Estado. Os helicópteros, no entanto, foram atrações exclusivas de Porecatu. Ao todo, serão entregues brinquedos para cerca de 100 mil crianças parananenses. "O Natal é uma data significativa que representa todo o espírito de solidariedade do Provopar. Fazer as crianças felizes nessa época do ano é uma prioridade".
Celso Felizardo
Reportagem Local-folha de londrina

Paraná pode ganhar mais quatro regiões metropolitanas

Curitiba - O Paraná deve ganhar em breve mais quatro regiões metropolitanas, dobrando o número hoje existente de conglomerados do tipo, de quatro para oito. A Assembleia Legislativa (AL) do Estado aprovou ontem, já em redação final, os projetos de lei complementares que instituem grupos em Cascavel (402/2012), Toledo (5/2013), Apucarana (440/2012) e Campo Mourão (401/2012). As duas primeiras cidades-sedes, curiosamente, estão a uma distância de apenas 50 quilômetros uma da outra. Para entrarem em vigor, as mensagens ainda dependem da sanção do governador Beto Richa (PSDB).

Cada Estado tem autonomia para criar as suas regiões metropolitanas. Atualmente, o Paraná conta com aglomerações em Curitiba (29 municípios), Maringá (26), Londrina (25) e Umuarama (24). A última foi criada em 2012, após intenso debate. Desde então, parlamentares de diferentes partidos buscam implementar a mesma estratégia nas cidades onde possuem base eleitoral. Entre as vantagens citadas por eles, e geralmente compartilhadas pelos prefeitos, estão a integração do transporte, o aproveitamento de recursos hídricos e saneamento básico, além do aumento no subsídio habitacional, por meio da Caixa Econômica Federal (CEF).

Alguns deputados, caso de Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), defendem que os critérios utilizados sejam mais técnicos e menos políticos. Conforme o IBGE, os conglomerados são constituídos por "municípios limítrofes (que fazem fronteiras), com o objetivo de integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum". Ou seja, são regiões conurbadas, onde não é possível saber quando começa uma cidade e termina a outra.
Mariana Franco Ramos
Reportagem Local-folha de londrina

Beto admite dificuldades, mas promete 2ª gestão 'muito melhor'

Governador, vice-governadora e parlamentares eleitos em outubro foram diplomados ontem, em Curitiba, pelo TRE

Theo Marques
"O importante é que há dois meses eu tive 79% dos votos de Londrina", minimizou Beto Richa, ao lado da vice Cida Borghetti (Pros), sobre queda de aprovação na cidade
Curitiba - O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), admitiu ontem, ao ser diplomado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), estar enfrentando dificuldades financeiras no final do mandato. No entanto, garantiu que os problemas serão equacionados antes do início da segunda gestão, no dia 1º de janeiro de 2015. Ele, a vice-governadora eleita Cida Borghetti (Pros) e o senador Alvaro Dias (PSDB) receberam ontem os títulos que os certificam como eleitos. Também foram habilitados para exercer seus cargos, em cerimônia no Teatro Positivo, em Curitiba, os 30 deputados federais e os 54 estaduais, além de cinco suplentes de cada coligação partidária.

"Algumas dificuldades de final de ano todas as administrações encontram, como o (pagamento do) 13º salário. Mas vamos entrar num novo mandato numa situação muito melhor." Ele comentou ainda os resultados da pesquisa do Instituto Multicultural/Folha de Londrina/ Rádio Paiquerê AM, que mostra uma queda na sua aprovação em Londrina. "Tem vários institutos e diferentes pesquisas. Mas tudo bem. O importante é que há dois meses eu tive 79% dos votos de Londrina." Conforme os números, o índice dos que avaliam a administração estadual como ruim ou péssima mais que dobrou na cidade: era de 12% no final de 2013 e agora está em 26%.

O tucano também defendeu o projeto de lei que transfere o Departamento de Execução Penal (Depen) da Secretaria de Justiça (Seju) para a de Segurança Pública (Sesp). "Nós achamos que é o mais adequado, para se ter um controle maior do sistema penitenciário. A Sesp está estruturada para isso e o (Fernando) Francischini (novo secretário) tem capacidade para resolver a situação. Tivemos várias rebeliões durante o período eleitoral. Depois, pararam surpreendentemente, mas é importante termos a segurança e o controle." O governador não quis adiantar os nomes que ainda faltam para a composição do seu secretariado. "Anuncio até o final de semana, sexta ou sábado no máximo".

MAIS VOTADOS

Senador mais bem votado proporcionalmente do País, com 77% dos votos válidos, Alvaro teceu pesadas críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT), prometendo uma atuação ainda mais firme na bancada de oposição. "O Brasil mergulhou até o fundo do poço no cenário político, com a descrença que se generalizou, suportada pelos grandes escândalos de corrupção. A nossa responsabilidade é a mudança desse sistema, desse conceito, e a recuperação das imagens das instituições públicas."

Entre os deputados estaduais, Ratinho Jr. (PSC) recebeu o maior número de votos, mais de 300 mil. Ele já anunciou, porém, que voltará à Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedu). "A ideia é dar continuidade ao que nós iniciamos em 2012, avançando ainda mais, atendendo aos prefeitos e prefeitas do Estado, até porque o momento em que o Brasil passa é muito difícil. Então, o governo do Estado vai ter que estar muito presente." Christiane Yared (PTN), recordista de votos entre os deputados federais – foram mais de 200 mil -, voltou a se referir ao seu filho, Gilmar Yared, morto em um acidente de trânsito em 2009. "Vejo que a sociedade me coloca como representante principalmente das mães, que sofrem com seus filhos. Hoje é um marco na minha vida."
Mariana Franco Ramos
Reportagem Local-folha de londrina

Polícia investiga roubo de cargas

Apreensões em Arapongas aumentam suspeita de que quadrilha especializada age na região

Arapongas – A quantidade de produtos ilegais apreendidos desde o início de dezembro em Arapongas deixa a Polícia Civil em alerta para tentar identificar uma quadrilha que atua na região. Na tarde da última terça-feira, dezenas de tanques de óleo motor e lubrificantes foram apreendidos em uma distribuidora da Região Central da cidade. O proprietário do estabelecimento comercial foi preso por receptação de carga roubada e deixou a delegacia após pagar fiança de R$ 5 mil.

De acordo com o delegado de Arapongas, Paulo Gomes de Souza, a carga apreendida nesta semana seria transportada do Rio de Janeiro (RJ) até a cidade de Lages (SC). "Os produtos foram roubados em São José dos Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba) e trazidos para Arapongas. A nota fiscal de origem aponta que o valor total das mercadorias é de R$ 235 mil. O empresário preso disse, em depoimento, que não sabia sobre a origem ilegal da carga. Os produtos foram negociados por menos de R$ 80 mil", comentou.

Uma transportadora de Arapongas é investigada por suposto envolvimento no grupo que desvia as mercadorias. Desde o início de dezembro, a Polícia Civil intensificou a fiscalização e já apreendeu carretas carregadas com carne suína, duas carretas que transportavam cerveja e outras duas carregadas de atum. "Essa carga de atum iria de Itajaí para a Argentina e foi roubada em Blumenau. Comerciantes da região não quiseram comprar a carga porque as embalagens estavam escritas em espanhol e suspeitaram da mercadoria ilegal", explicou o delegado.

Os proprietários de uma rede de supermercados da cidade também estão na mira da Polícia Civil. Na tarde de ontem, uma carreta de chocolates foi apreendida em um centro de distribuição.

"Estamos partindo do fim para o começo. Fizemos as apreensões. Prendemos os responsáveis pelas mercadorias, mas não conseguimos identificar quem rouba e transporta os produtos. Há indícios de associação criminosa, mas precisamos apurar. O que sabemos é que eles roubam a carga e criam uma nota fiscal eletrônica correspondente a mercadoria de empresas inexistentes. As notas eletrônicas falsas são iguais às notas originais das cargas. Os responsáveis pelas mercadorias são presos e soltos após pagar fiança. Eles respondem o processo em liberdade. Fica a sensação de impunidade", comentou.

A reportagem tentou contato com o advogado que representa o estabelecimento comercial onde os tanques de óleo motor e lubrificantes foram apreendidos, mas não obteve retorno. O advogado da transportadora investigada, Ivoney Masi, negou qualquer irregularidade. Os proprietários da rede de supermercados não foram localizados.
Viviani Costa
Reportagem Local-folha de londrina

Rotatividade no mercado de trabalho atinge 63,7%

Agricultura, construção civil e comércio lideram movimentação de trabalhadores

Anderson Coelho
Segundo Sinduscon, 90% da rotatividade no setor da construção está ligada à periodicidade das obras
Construção civil, agricultura e comércio são os três setores em que há maior rotatividade de trabalhadores no País. No primeiro, o índice global (que inclui todos os desligamentos, independente do motivo) chegou a 115% em 2013; no segundo, a 88,8%; e na área comercial atingiu 64,2%. Os dados fazem parte de um estudo do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgado ontem.

O estudo acompanha o mercado de trabalho celetista de 2002 a 2013. Nesse período, a rotatividade global subiu de 52,4% para 63,7%. Já a taxa de rotatividade descontada - aquela que exclui motivos ligados ao trabalhadores, como morte, aposentadoria, transferências e desligamentos a pedido -, foi de 43,4%. Os desligamentos predominam entre pessoas com até 39 anos e com menor escolaridade.

Outra conclusão do MTE e do Dieese é que predomina no Brasil o emprego de curta duração. Entre 2002 e 2013, cerca de 45% dos desligamentos ocorreram com menos de seis meses de contrato de trabalho e cerca de 65% sequer atingiram um ano completo. O diretor do Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) do Norte do Paraná, José Carlos Salgueiro, afirma que 90% da rotatividade no setor está ligada à periodicidade das obras. Segundo ele, os contratos têm duração média de seis a oito meses.

"Outra situação é que trabalhamos com pessoal específico, por exemplo, um carpinteiro não trabalha na obra toda, mas em um período dela", explica. Salgueiro diz também que a busca por seguro desemprego ainda impacta no setor, ou seja, existem casos em que o trabalhador provoca a demissão a fim de receber o benefício e continuar trabalhando de maneira informal.

"A gente não pega esse trabalhador, mas, às vezes, em serviço particular as pessoas contratam", diz. Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Londrina (Sintracom), Denilson Pestana, esta não é uma situação real. Segundo ele, o atual quadro de pleno emprego no País permite ao trabalhador escolher qual a melhor vaga.

"Muita gente fala que está tendo enxurrada de demissões, mas está tendo demissões e contratações, e mantendo o nível de emprego", afirma. Atualmente, o setor emprega cerca de 12 mil pessoas na região, número que foi ainda maior no passado. Pestana ressalta que o setor da construção civil passou por mudanças drásticas nas últimas décadas, com a tecnologia suprindo parte da mão de obra. "A obra era quase artesanal; hoje, estamos com uma linha de produção industrial na construção", destaca.

Temporários

No setor agrícola, a sazonalidade explica a alta rotatividade, segundo o presidente do Sindicato Rural Patronal de Londrina, Narciso Pissinati. Contratos temporários são comuns durante o período de plantio e, depois, de colheita. As durações variam entre 30 e 90 dias. Porém, para Pissinati, caso os custos dos encargos trabalhistas fossem menores haveria maior estímulo à contratação prolongada.

"A gente percebe que na nossa região virou monocultura e o pequeno produtor mesmo acaba arrendando as terras, porque o custo da mão de obra é muito elevado", reclama. A reportagem não conseguiu contato com a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Paraná nem com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais para comentarem o assunto. (com Agência Estado)
Cecília França
Reportagem Local-folha de londrina

Empresário é morto em emboscada

Londrina - A esposa, segurando o filho do casal de sete meses nos braços, assistiu ao marido Rafael Cirino da Silva, de 33 anos, ser assassinado com tiros nas costas e na cabeça, em frente à entrada da fazenda da família, localizada no Distrito de São Luiz, Região Sul de Londrina. O crime foi registrado no início da tarde de ontem e Silva pode ter sido vítima de uma armadilha. Segundo a Polícia Civil, ao menos quatro homens participaram da ação e fugiram em um carro não identificado. Um desentendimento comercial pode ter motivado o homicídio.

Silva, a mulher e o filho estavam em um Ford Ecosport. Ao se aproximarem da fazenda, foram surpreendidos pelo grupo. Já rendido, segundo o relato da esposa aos policiais no local do crime, Silva teria descido do carro com o filho no colo e entregado o bebê para ela, antes de se ajoelhar e colocar as mãos atrás da cabeça. Impiedosamente, um dos criminosos teria disparado contra ele. Em seguida, a esposa percorreu alguns quilômetros até encontrar socorro em uma propriedade vizinha.

O cunhado de Silva, Alceu Pereira, disse que ele morava com a família em um condomínio na Região Sul, era proprietário de oficinas em Londrina e arrendava a fazenda, de 80 alqueires, no Distrito de São Luiz. "Não imagino o que pode ter acontecido. Pelo que sei, o Rafael não estava sendo ameaçado. Ele era tranquilo, religioso e fazia visitas levando a palavra de Deus às pessoas", comentou.

O tenente Marcos Kenzo informou que momentos antes do crime a vítima teria recebido uma ligação de um rapaz, que pediu para se encontrar com ele no local. "Pode ter ocorrido algum desentendimento comercial neste caso. Até então ninguém foi preso, mas nossas equipes estão em busca dos suspeitos", concluiu o oficial.
Paulo Monteiro
Equipe NossoDia-folha de londrina